Rio ​2054: Os Filhos da Revolução 0 csillagozás

Jorge Lourenço: Rio 2054: Os Filhos da Revolução

Rio ​de Janeiro, 2054. Três décadas após uma guerra civil que começou com a disputa pelos royalties do petróleo, a cidade se vê alvo de uma nova ameaça. Um velho jogo de intrigas e espionagem industrial entre as multinacionais que controlam a cidade ganha novos contornos quando uma perigosa jovem com poderes psíquicos surge nos guetos. Alheio a tudo isso, Miguel é um jovem sem grandes pretensões. Morador de uma região abandonada no pós-guerra, ele sobrevive catando restos de tecnologia e tem uma vida despreocupada. Sem saber o que o destino lhe reserva, ele é convidado para assistir a um duelo de motoqueiros e acaba se tornando o pivô de uma disputa que pode mudar o Rio para sempre. Num lugar onde o bem e mal se confundem, Miguel terá que desvendar os segredos de uma misteriosa inteligência artificial e, para proteger aqueles que ama, bater de frente com as poucas pessoas dispostas a salvar o que resta do Rio de Janeiro. Sem saber que lado escolher, caberá a ele decidir o futuro de… (tovább)

>!
Novo Século, 2013
376 oldal · ISBN: 9788576798644

Népszerű idézetek

>!
Bori_L P

Vi policiais invadindo casas, agredindo moradores que não tinham qualquer ligação com o crime organizando e apontando fuzis para crianças. Vi gente apelar para o tráfico porque não acreditava que podia ir longe frequentado uma escola em ruínas, conciliado trabalho com estudo e sempre preocupada com o pão do dia seguinte.

Hoje, um quinto da população carioca vive em favelas. Para eles, esta obra de ficção é perigosamente verdadeira.

Palavra do Autor


Hasonló könyvek címkék alapján

Frank Herbert: Duna
Luís Filipe Silva: O Futuro à Janela
Marissa Meyer: Cress (portugál)
Euclides da Cunha: Os Sertões
Jorge Amado: O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá
José A. Lindgren Alves: A modern brazil elbeszélés antológia – Antologia do moderno conto brasileiro
Paulo Coelho: O Monte Cinco
Machado de Assis: Dom Casmurro
João Ubaldo Ribeiro: O Feitiço da Ilha do Pavão
Murilo Carvalho: O Rastro do Jaguar